Contagem

web counter free

sábado, 29 de abril de 2017

Finalmente Nova Vitória Após Cinco Jornadas

BOAVISTA FC-1 CD TONDELA-0
Liga Nós 31ºJornada 2016-2017
29 de Abril de 2017 - 16H
Estádio do Bessa Século XXI
Árbitro:Vasco Santos(A.F.Porto)




GR:Vágner da Silva    GR:Claúdio Ramos
DD:Tiago Mesquita   DD:Jaílson
 DC:Phillipe Sampaio DC:David Bruno
DC:Lucas Tagliapietra  DC:Kaká
DE:João Talocha DE:Yordan Osório
MC:Idrís Mandiang  MC:Claude Gonçalves
 MC:Anderson Carvalho(Emin Makhmudov 61') MC:Pedro Nuno(Wagner 78')
MC:Fábio Espinho MC:Hélder Tavares
ED:Iuri Medeiros ED:Miguel Cardoso
EE:André Bukia(Renato Santos 71') EE:Jhon Murillo(Dylan Flores 74')
PL:André Schembri(Idé Colubali 79')  PL:Murilo(Heliardo Silva 63')

Treinador:Miguel Leal               Treinador:Pepa

Cartões Amarelos:João Talocha 47',Claude Gonçalves 72',Yordan Osório 78' e Kaká 92'.

Golos: Iuri Medeiros 66'.



Um Boavista melhor ficou com os três pontos na receção ao Tondela, que pode ter o sonho da manutenção hipotecado, a três jornadas do final do campeonato. Um golo de Iuri Medeiros, pouco depois da hora de jogo, conferiu justiça ao marcador no estádio do Bessa. 

Pantera respira melhor e isso notou-se



A tranquilidade de uma pantera com os objetivos cumpridos fez-se quase sempre notar no relvado do Bessa, fator ao qual se acresce a inquestionável qualidade superior de alguns dos seus elementos. Iuri foi uma dor de cabeça para David, Schembri oferece outras soluções no ataque em comparação com Iván Bulos e Idris é uma autêntica parede no meio-campo axadrezado.
E porque o médio do Senegal esteve quase sempre no sítio certo, o Tondela viu-se forçado a muitas bolas longas - quase sempre por Osório - que invariavelmente se perdiam na inocuidade. Não foi por isso de estranhar que os comandados de Pepa não tenham incomodado Vagner ao longo de quase toda a partida, enquanto do outro lado Cláudio Ramos teve um ou outro momento de aperto.
No primeiro tempo, Iuri deu o primeiro sinal, aos 19 minutos, com um remate que Cláudio Ramos encaixou sem grandes problemas. Apesar de ter estado sempre por cima no jogo, o Boavista teve dificuldades para forçar verdadeiramente na zona de finalização, mas teve os seus momentos na parte final do primeiro tempo, com três excelentes ocasiões de golo. 
Contudo, os remates de Schembri (43') e Fábio Espinho (45+1) voltaram a esbarrar num Cláudio Ramos atento, enquanto a tentativa de André Bukia (45') ficou a centímetros do poste esquerdo. Momentos que podiam ter levado a pantera em vantagem para o intervalo e que não teria assentado mal à equipa de Miguel Leal.

Tendência inalterada depois do descanso


A precisar de pontos como de pão para a boca, o Tondela não arriscou mais do que no primeiro tempo - porque também não conseguiu. Focados em pontuar e a jogar no limite do medo de perder, os beirões raramente arriscaram no momento ofensivo e deixaram para trás o registo rematador dos três jogos anteriores (47 remates).

Contudo, o Tondela teve o seu momento, sobretudo quando Heliardo - que tinha entrado - apareceu na meia direita a cavalgar isolado em direção a Vagner, que com uma palmada junto à relva evitou o golo forasteiro na primeira ocasião de perigo produzida no Bessa. O momento ganhou ainda mais importância porque logo depois, aos 66 minutos, o Boavista chegou ao golo num lance de bom futebol.

Schembri, um dos melhores, tocou de calcanhar, Anderson Carvalho encontrou Iuri solto e o extremo cedido pelo Sporting só teve de encostar para o fundo da baliza de Cláudio Ramos, totalmente indefeso em toda a jogada. A vantagem caía bem ao conjunto axadrezado, sempre melhor e mais perigoso ao longo de todo o encontro.
Contas feitas, o Boavista passa a somar 38 pontos e segue descansado para as últimas três jornadas.

segunda-feira, 24 de abril de 2017

Antevisão Boavista FC - CD Tondela

BOAVISTA FC – CD Tondela
Sabado, 29 de Abril às 16:00

Preços dos bilhetes
Sócios: 3€
Acompanhantes de Sócio: 6€ (cada associado poderá adquirir até 3 Bilhetes a 6€ cada)

Horário das bilheteiras: segunda a sexta, das 9h30 às 12h30, e das 14h00 às 18h00;
Sábado, das 9h30 até ao intervalo do jogo



domingo, 23 de abril de 2017

Quinto Jogo Seguido Sem Vencer

VSC GUIMARÃES-2 BOAVISTA FC-0
Liga Nós 30ºJornada
22 de Abril de 2017 - 20h30M
Estádio Dom Afonso Henriques em Guimarães
      Árbitro :Manuel Mota(A.F.Castelo Branco)

GR:Douglas de Jesus  GR:Vágner da Silva
DD:Bruno Gaspar DD:Edú Machado
 DC:Pedro Henrique DC:Phillipe Sampaio
DC:Josué Sá  DC:Lucas Tagliapietra
DE:Ghislain Konan DE:João Talocha
MC:Rafael Miranda MC:Carraça(Rochinha 67')
MC:Bongani Zungu(Fábio Sturgeon 92') MC:Emin Makhmudov(André Schembri 55')
MC:Paolo Hurtado(Guillermo Celis 82') MC:Anderson Carvalho
ED:Hernâni Fortes(Raphinha 79') ED:Iuri Medeiros(André Bukia 82')
EE:Moussa Marega EE:Renato Santos
PL:David Texeira  PL:Iván Bulos
.

Treinador:Pedro Martins                 Treinador:Miguel Leal


Cartões Amarelos:Iuri Meideiros 25',Carraça 34',Moussa Marega 35',Ghislain Konan 42' e Anderson Carvalho 64'.

Golos: Paolo Hurtado 28' e Hernâni Fortes 48'

A pantera foi demasiado frágil para importunar um D. Afonso Henriques de espada afiada, confortavelmente instalado no quarto posto da classificação. Num jogo entre rivais, o V. Guimarães impôs-se ao Boavista vencendo (2-0) com golos de Hurtado e Hernâni, dominando por completo os axadrezados numa Cidade Berço em ebulição.
Entrando em campo sabendo que o Sp. Braga tinha sido derrotado em Paços de Ferreira, a equipa de Pedro Martins tinha uma oportunidade soberana para cimentar o quarto lugar, passando a ter cinco de vantagem para o rival minhoto. Cenário que se veio a verificar.

Por isso, o figurino do encontro rapidamente ficou estabelecido. A iniciativa de jogo pertenceu quase em absoluto ao V. Guimarães, com o Boavista a ficar na expetativa, com as linhas cerradas em frente à sua área, montando uma floresta de pernas difícil de penetrar.
Meia hora de resistência axadrezada
Apesar das dificuldades, a maior qualidade técnica dos vimaranenses ia vindo ao de cima, a espaços, quando o bloco axadrezado era corrompido. Texeira esteve na cara de Vagner depois de um passe displicente de Edu Machado, mas não aproveitou a deixa do defesa do Bessa. Pouco depois, na sequência de um canto, Josué esteve muito perto de fazer a emenda em cima da linha de golo.
Pronúncio de que seria uma questão de tempo até o sentido único do encontro ganhar expressão no marcador. Hurtado, o caçador de panteras que decidiu os dois jogos já disputados entre os dois emblemas esta época, confirmou o ascendente vitoriano ao inaugurar o marcador a dois minutos da meia hora.
Canto de Hernâni, Texeira desvia para defesa apertada de Vagner, e o peruano apareceu de forma oportuna a encostar para o fundo das redes. Sem Idriss e Fábio Espinho, duas pedras basilares do miolo da equipa de Miguel Leal, o Boavista não teve capacidade de resposta, vendo Vagner ser uma das suas principais unidades.
Trivela de Hernâni resolve
Esperava-se uma reação axadrezada com mais afinco depois do período de descanso, mas foi o Vitória quem voltou a impor o ritmo conquistando dois cantos nos instantes iniciais, sendo que, na ressaca de um deles, Hernâni resolveu o encontro.
Trivela com o pé esquerdo a apanhar Vagner desprevenido, num duro golpe para as aspirações de resposta do Boavista. Com o tirar do pé do acelerador, o Boavista tentou dar um ar da sua graça, mas nunca chegou a por as garras de fora.
Quinto jornada consecutiva a vencer do V. Guimarães, cimentando o quarto lugar com um triunfo incontestável. A equipa de Pedro Martins respira alegria, está numa fase positiva e o Boavista, que somou o quinto jogo sem vencer, sucumbiu de forma natural perante um Estádio D. Afonso Henriques com quase 25 mil espectadores a comungar da mesma alegria da equipa.

terça-feira, 18 de abril de 2017

Antevisão VSC Guimarães - Boavista FC


Vitória SC vs BOAVISTA FUTEBOL CLUBE
Domingo, 23 de abril às 18h00

Bilhete: 10€
Bilhete + camioneta: 13,50€

Horário da Secretaria: das 09h00 às 12h30, e das 14h00 às 18h00


sexta-feira, 14 de abril de 2017

Empate no Bessa


BOAVISTA FC-0 FC PAÇOS FERREIRA-0
Liga Nós 29ºJornada 2016-2017
14 de Abril de 2017 - 16H
Estádio do Bessa Século XXI
Árbitro:Gonçalo Martins(A.F.Vila Real)


GR:Mickael Meira    GR:Rafael Defendi
DD:Edú Machado   DD:Bruno Santos
 DC:Phillipe Sampaio DC:Marco Baixinho
DC:Lucas Tagliapietra  DC:Gége
DE:João Talocha DE:Filipe Ferreira
MC:Idrís Mandiang  MC:Filipe Melo
 MC:Carraça MC:André Leal(Minhoca 71')
MC:Fábio Espinho MC:Vasco Rocha
ED:Iuri Medeiros(Carlos Santos 89') ED:Diego Medeiros(Cícero 85')
EE:Rochinha (Renato Santos 57')EE:Luiz Phellype(Ivo Rodrigues 57')
PL:Iván Bulos(André Schembri 61')  PL:Ricardo Valente

Treinador:Miguel Leal               Treinador:Vasco Seabra

Cartões Amarelos:André Leal 11',Fábio Espinho 30',Idrís Mandiang 35' e 37',Iván Bulos 51' e Phillipe Sampaio 88'.

Cartões Vermelhos: Idrís Mandiang 37'.



O Boavista empatou em casa com o Paços de Ferreira (0-0), esta sexta-feira à tarde, em jogo a contar para a 29ª jornada da I Liga. Os axadrezados somaram a quarta partida consecutiva sem vencer.

O Boavista começou com Rochinha e Carraça nos lugares dos habituais titulares Renato Santos e Anderson Carvalho, respetivamente, e o Paços de Ferreira alinhou sem as duas grandes figuras, o médio Pedrinho e o atacante Welthon.
Pedrinho estava tocado, Welthon lesionou-se na véspera, na perna direita, e por isso ambos ficaram de fora, o que prejudicou a capacidade ofensiva pacense.
A primeira parte correu mal ao Boavista, primeiro porque falhou uma grande penalidade, por Fábio Espinho, e depois porque ficou sem o capitão, Idris, que viu dois cartões amarelos e um vermelho em três minutos (35 e 37) e foi, por isso, expulso, deixando a sua equipa em inferioridade numérica.
Depois uma fase inicial indefinida, o Boavista ganhou algum ascendente e Rochinha ganhou uma grande penalidade aos 11 minutos, em despique direto com Bruno Santos, mas de nada serviu porque Fábio Espinho rematou para fora.
Depois desse lance, o Boavista tardou em conseguir entrar de novo na área pacense, tanto devido ao acerto defensivo do Paços como por incapacidade própria.
Foi preciso esperar até ao minuto 32 para ver uma boa iniciativa atacante axadrezada, finalizada com um remate forte de Caraça, mas sobre a baliza.
Mas aos 37 minutos tudo se complicou para o Boavista, porque Idris viu o segundo cartão amarelo e o consequente vermelho.
O Paços aproveitou a superioridade numérica, tomou conta do meio-campo e forçou o Boavista a recuar e a quase abdicar do ataque, com o peruano Bulos ainda mais só, mas o melhor que os pacenses conseguiram antes do intervalo foi um remate forte de Medeiros (45+2).
Na segunda parte, o encontro desenrolou-se quase sempre no meio-campo boavisteiro e os pacenses tiverem muito mais bola, mas só isso, porque a equipa mostrou-se incapaz de tirar partido da sua superioridade numérica e de criar lances claros de perigo junto á baliza axadrezada.
Aos 76 minutos, Ivo Rodrigues serviu Medeiros e este, já desgastado por um ‘sprint’ longo, acabou por atirar por alto, em mais outra demonstração da fragilidade ofensiva que os visitantes demonstraram durante todo o jogo.
Schembri, que havia substituído Bulos, obrigou Defendi a uma defesa difícil e pouco depois (81) caiu na grande área pacense, num lance em que o Boavista reclamou grande penalidade.
O Paços de Ferreira tornou-se um pouco mais dominador na reta final, talvez porque o Boavista começou a dar sinais de alguma fadiga, mas mesmo assim sem conseguir situações de perigo junto à baliza de Mikael Meira.

segunda-feira, 10 de abril de 2017

Antevisão Boavista FC - FC Paços de Ferreira


BOAVISTA FC – FC Paços de Ferreira
Sexta, 14 de Abril às 16:00

Preços dos bilhetes
Sócios: 3€
Acompanhantes de Sócio: 7€ (cada associado poderá adquirir até 3 Bilhetes a 7€ cada)

Horário das bilheteiras: segunda a quinta, das 9h30 às 12h30, e das 14h00 às 18h00;
Sexta, das 9h30 até ao intervalo do jogo

sábado, 8 de abril de 2017

Derrota Natural Mas Pesada em Alvalade

SPORTING CP-4 BOAVISTA FC-0
Liga Nós 28ºJornada
8 de Abril de 2017 - 20h30M
Estádio José de Alvalade em Lisboa
      Árbitro :Manuel Mota(A.F.Braga)

GR:Rui Patrício GR:Mickael Meira
DD:Ezequiel Schelotto DD:Edú Machado
 DC:Sebástian Coates DC:Phillipe Sampaio
DC:Rúben Semedo  DC:Lucas Tagliapietra
DE:Marvin Zeegelaar DE:João Talocha
MC:William Carvalho MC:Idrís Mandiang
MC:Bryan Ruiz(Adrien Silva 62') MC:Fábio Espinho(André Schembri 51')
MC:Alan Ruiz MC:Anderson Carvalho(Carraça 58')
ED:Daniel Podence(Joel Campell 76') ED:Renato Santos
EE:Bruno César(Francisco Geraldes 76') EE:André Bukia(Rochinha 67')
PL:Bas Dost  PL:Iván Bulos
.

Treinador:Jorge Jesus                 Treinador:Miguel Leal


Cartões Amarelos:Edú Machado 16'.

Golos: Alan Ruiz 20',Bas Dost 29',48'(g.p.) e 63'.



O Boavista foi este sábado à noite goleado (0-4) pelo Sporting, em Lisboa. O holandês Bas Dost foi o principal carrasco da equipa orientada por Miguel Leal ao fazer o gosto ao pé por três vezes.


Três golos do holandês Bas Dost e um do argentino Alan Ruiz deram a vitória ao Sporting.
O Sporting entrou em campo sem Gelson, devido a uma lesão na coxa (Daniel Podence ocupou o lugar), mas viu o capitão Adrien Silva regressar à competição, após um afastamento de um mês e meio por lesão.
Do lado do Boavista, o grande ausente foi Iuri Medeiros, emprestado pelo Sporting e que, por isso, não era opção para este jogo. Ainda antes do encontro começar, a primeira contrariedade para o treinador Miguel Leal. O guarda-redes Vagner lesionou-se e o Boavista viu-se obrigado a colocar no ‘onze’ inicial Mickaël Meira. Mamadou Ba passou de relegado a suplente.
Num jogo entre ‘felinos’, a ‘pantera’, sem ligação no meio-campo, lenta nas transições e com uma ‘defesa de papel’ foi uma presa fácil para os ‘leões’, imaculados taticamente – fizeram 20 remates à baliza ao longo dos 90 minutos contra quatro. O Sporting adiantou-se no marcador aos 20 minutos, por intermédio de Alan Ruiz, numa jogada iniciada por Daniel Podence, que ‘roubou’ a bola a Talocha e serviu Schelotto, na direita, que, perto da linha de fundo, cruzou para o argentino bater Mickaël Meira.
Nove minutos depois, Edu Machado, que já tinha visto um cartão amarelo aos 16, não reparou que tinha Bruno César, o motor ‘leonino’ esta noite, na sua zona de ação e atrasou a bola para Mickaël Meira. O brasileiro intersetou-a e serviu Bas Dost para o 2-0.
A abrir a segunda parte, esta dupla voltou a fazer estragos nos ‘axadrezados’, esta noite a jogar de cor-de-laranja. Bukia derrubou Bruno César na grande área. O árbitro Manuel Mota assinalou grande penalidade e o holandês, aos 48 minutos, bisou.
A perder, Miguel Leal colocou em campo André Schembri e Carraça, para o lugar de Fábio Espinho e Anderson Carvalho, respetivamente. Estas substituições não trouxeram argumentos novos ao jogo. Aos 63 minutos, logo após a entrada de Adrien Silva, Bas Dost fez o ‘hat trick’ após assistência de Bruno César e ‘selou’ o resultado. Três tentos que fizeram o holandês igualar Messi, do Barcelona, que esta noite ficou em branco na derrota, por 2-0, diante do Málaga (30.ª jornada da liga espanhola). Na luta pela bota de ouro ambos somam 27 golos esta época.
A 15 minutos do final, Jorge Jesus fez entrar Francisco Geraldes, para o lugar de Daniel Podence, e Joel Campbell, para o de Bruno César. Mudanças que mantiveram os ‘leões’ focados no ataque, contudo o resultado não sofreu alterações graças às intervenções de Mickael Meira, como foi o caso aos 81, 86 e 87 minutos, quando negou o golo a Campbell, Coates e Alan Ruiz, respetivamente.

quarta-feira, 5 de abril de 2017

Antevisão Sporting CP - Boavista FC



Sporting CP vs BOAVISTA FC


Preços (para sócios com quotas em dia)

Bilhete: 12€
Bilhete + autocarro: 16€

Inscrições na Secretaria até 6ª feira, dia 7 de Abril, às 18:00

Partida dos autocarros, sábado, dia 8 de Abril, às 15h00

sábado, 1 de abril de 2017

Infelicidade Dita Nova Derrota em Casa

BOAVISTA FC-0 RIO AVE FC-1
Liga Nós 27ºJornada 2016-2017
1 de Abril de 2017 - 18H15
Estádio do Bessa Século XXI
Árbitro:João Pinheiro(A.F.Braga)


GR:Vágner da Silva    GR:Cássio
DD:Edú Machado   DD:Lionn(Eliseu Nadjack 89')
 DC:Phillipe Sampaio(Emin Makhmudov 84') DC:Nélson Monte
DC:Lucas Tagliapietra  DC:Roderick Miranda
DE:João Talocha DE:Rafa Soares
MC:Idrís Mandiang  MC:Radosav Petrovic
 MC:Anderson Carvalho(André Schembri 80') MC:Filip Krovonovic
MC:Fábio Espinho MC:Tarantini
ED:Iuri Medeiros ED:Rúben Ribeiro(Adama Traoré 74')
EE:Renato Santos (Rochinha 77')EE:Gil Dias
PL:Iván Bulos  PL:Hélder Guedes(Gonçalo Paciência 69')

Treinador:Miguel Leal               Treinador:Luís Castro

Golos:Adama Traoré 76'

Cartões Amarelos:Gil Dias 49' e Nélson Monte 67'.



O maliano Traoré entrou aos 74 minutos e dois minutos depois marcou o golo do Rio Ave .

Traoré juntou-se à equipa de Vila do Conde em janeiro, emprestado pelo Mónaco, e estreou-se a marcar, um golo que valeu três pontos, pouco depois de ter substituído o ex-boavisteiro Ruben Ribeiro.
O Rio Ave soma agora 38 pontos e saltou para sétimo lugar, por troca com o Desportivo de Chaves, que tem 36, e mantém-se na corrida a um lugar europeu. O Boavista continua com 34 pontos e no nono posto.
As duas equipas proporcionaram um espetáculo interessante, em especial durante a primeira parte, e houve lances de perigo e de golos junto às duas balizas.
O Boavista manteve-se fiel ao seu futebol direto e musculado, ao passo que o Rio Ave mostrou capacidade para ter bola e sair com ela de forma controlada.
Aos 22 minutos, Iuri Medeiros trabalhou bem na direita, cruzou e Lionn, pressionado por Renato Santos, cedeu canto e, deste modo, pode ter evitado um golo.
Pouco depois, Krovinovic rematou forte, Vagner defendeu para a frente, e Guedes, em boa posição, para fazer golo, recarregou e o guardião ‘axadrezado’ evitou o golo.
O encontro tornou-se cada vez mais aberto e as duas equipas jogaram claramente para a vitória, o que fez supor que os golos iriam acabar por surgir mais tarde ou mais cedo, mas tal não aconteceu e essa foi a única pecha de um primeiro tempo intenso e bem disputado.
A segunda parte começou com um lance perigo para cada lado, sendo que no do Boavista o médio Anderson Carvalho não soube aproveitar o facto de Cássio ter estado fora da baliza por breves instantes.
Aos poucos, o Rio Ave começou a tomar conta do jogo e a controlar o meio-campo e o perigo passou a rondar com mais frequência a baliza de Vagner, como aconteceu aos 55 num contra-ataque perigoso que Guedes finalizou com um remate muito por alto.
Com o jogo num impasse, o técnico Luís Castro substituiu Ruben Ribeiro por Traoré (74) e o atacante maliano deu-lhe razão dois minutos depois, fazendo o 1-0 com um bom cabeceamento após um canto.
O Boavista reagiu, já com mais coração do que cabeça, criou alguns embaraços à defesa vila-condense, e o Rio Ave viu Gonçalo Paciência falhar o 0-2, aos 88 minutos, numa jogada em que surgiu isolado frente a Vagner.
Sem o central Marcelo, castigado, o Rio Ave resistiu à pressão final do Boavista e acabou por ficar com os três pontos, graças à superior qualidade individual dos seus jogadores e a um maior volume de jogo ofensivo, que, aliás, forçou Vagner a um trabalho muito mais aturado que aquele que Cássio teve.

segunda-feira, 27 de março de 2017

Antevisão Boavista FC - Rio Ave FC


BOAVISTA FC – Rio Ave FC

Sábado, 1 de Abril às 18:15

Preços dos bilhetes

Sócios: 3€
Acompanhantes de Sócio: 7€ (cada associado poderá adquirir até 3 Bilhetes a 7€ cada)

Horário das bilheteiras: segunda a Sexta, das 9h30 às 12h30, e das 14h00 às 18h00;

Sábado, das 9h30 até ao intervalo do jogo

sexta-feira, 17 de março de 2017

Empate na Amoreira

GD ESTORIL-0 BOAVISTA FC-0
Liga Nós 26ºJornada
17 de Março de 2017 - 20h30M
Estádio António Coimbra da Mota no Estoril
      Árbitro :Nuno Almeida(A.F.Algarve)

GR:José Moreira GR:Vágner da Silva
DD:Mano DD:Edú Machado
 DC:João Afonso DC:Phillipe Sampaio
DC:Dankler Pereira  DC:Lucas Tagliapietra
DE:Ailton Silva DE:João Talocha
MC:Diogo Amado MC:Idrís Mandiang
MC:Eduardo Teixeira MC:Fábio Espinho(Emin Makmoudov 81')
MC:Carlinhos(Dmytro Yartchuk 90') MC:Anderson Carvalho(Carraça 89')
ED:Matheus Índio(Bruno Gomes 88') ED:Iuri Medeiros
EE:Allano Lima(Gustavo Tocantinis 70') EE:Renato Santos(Rochinha 68')
PL:Kléber  PL:Iván Bulos
.

Treinador:Pedro Emanuel                 Treinador:Miguel Leal


Cartões Amarelos:Anderson Carvalho 64'.





A 26ª jornada da Liga arrancou sem golos, com os canários do Estoril a contornar as leis do mais forte do reino animal e a amansar a pantera negra que na ronda anterior tinha exibido garras bem afiadas diante do Marítimo. Num jogo bem disputado, faltou apenas um golo para uma estreia perfeita de Pedro Emanuel em casa.
Estreia em casa de Pedro Emanuel, com um bom apoio das bancadas, mas com um onze desfalcado, uma vez que Gonçalo Brandão e Licá não recuperaram das mazelas que sofreram em Guimarães e ficaram mesmo de fora das opções. O novo treinador recompôs o eixo defensivo com Dankler e João Afonso e destacou um trio composto por Mattheus Indio, Carlinhos e Allano no apoio direto a Kléber, ficando Diogo Amado e Eduardo, mais recuados, encarregues de estabelecer rápidas ligações com os homens da frente.
Miguel Leal, por seu lado, repetiu o onze que há uma semana surpreendeu o Marítimo no Bessa, voltando a apostar na velocidade de Iuri Medeiros e Renato Santos sobre as alas para provocar desequilíbrios. O Estoril subia no relvado em bloco, procurando fixar o jogo no meio-campo contrário, com a equipa bem junta, a evoluir com passes curtos, com passes entre linhas, procurando desequilíbrios. Uma ideia de jogo bem distinta da dos «axadrezados» que exageravam no pontapé longo que, com a equipa demasiado recuada, raramente sortia efeito, com a defesa amarela a resolver com tranquilidade.
Uma primeira parte disputada a um ritmo lento, com marcações cerradas, muitas faltas e pouco futebol. O Estoril conseguiu de facto jogar mais tempo no campo do Boavista, mas depois não tinha espaços para visar a baliza de Vagner. O Boavista, apesar de ter menos bola, conseguiu criar mais perigo, com destaque para uma «bomba» de Anderson Carvalho que obrigou Moreira a defender com os punhos e para um remate de Renato Santos que tabelou nas pernas de Philipe Sampaio e ainda foi ao ferro. Muito pouco para os primeiros 45 minutos.
A segunda parte não trouxe muitas novidades, com o Estoril novamente a procurar instalar-se no meio-campo «axadrezado», mas agora com ordem para rematar, como ficou bem patente nas tentativas de Kléber, Mano e Allano. O Boavista também continuou a insistir nas transições rápidas, mas sem conseguir importunar o último reduto amarelo que conseguia, depois, mais profundidade, agora com Allano mais em jogo, a dar finalmente vida à ala direita dos canarinhos. Na sequência de um canto, o avançado carioca, com um desvio subtil, esteve perto de abrir o marcador, tal como Eduardo, na marcação de um livre de muito longe que levou a bola a passar perto da trave.
Só depois da uma hora de jogo é que começou a dança dos bancos, com Miguel Leal a lançar Rochinha e Pedro Emanuel a responder com Gustavo Tocantins. O Estoril, embalado pelo incessante apoio dos seus adeptos, crescia definitivamente no jogo, com Gustavo a entrar muito bem. Multiplicaram-se as oportunidades na área de Vagner, com um Kléber muito perdulário, diante de um Boavista com cada vez menos capacidade de resposta.

O jogo ficou mais partido nos instantes finais e o golo podia ter caído para qualquer um dos lados, mas mesmo nesta fração do jogo, o Estoril continuou mais forte, com destaque para uma perdida incrível de Gustavo Tocantins. Falou apenas um golo para fechar esta crónica com lógica, mas, como se sabe, a lógica nem sempre acompanha o futebol e o Boavista pode dar-se por feliz por levar um ponto para casa.